Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘cremilda medina’

A jornalista Cremilda de Araújo Medina, em seu livro “Entrevista: o diálogo possível”, traça um raciocínio prático de como a entrevista jornalística pode ser aprimorada com fatores subjetivos entre o repórter e o entrevistado. Dentre esses fatores, está a ideia de que a personalidade do entrevistador é uma técnica essencial para alcançar ganhos no diálogo. Dizer que a personalidade do jornalista deve estar contida na entrevista é arriscar dizer que a sua atitude pode estar isenta de princípios básicos como imparcialidade e objetividade.

Medina vai além, e afirma que o bom repórter é criador e consegue desenvolver uma obra de arte social a partir da interação com seu entrevistado, possibilitando as percepções de ambos. No entanto, a questão que deve ser levantada é: o que vem a ser essencial? O jornalismo que preza a informação objetiva e imparcial ou aquele que visa o interpretativo e subjetivo? A autora responde que a “total objetividade” é uma ingenuidade e defende que “é preciso usar nosso traço humano”, citando Edgar Morin para explicar que quando o homem criou a consciência da morte, eliminou a ideia do “puro ser objetivo” como uma defesa à própria morte. Com a construção do mundo subjetivo, a autora afirma que torna impossível a “total objetividade”. Ingenuidade, então, não seria acreditar que a o envolvimento do repórter com o entrevistado poderia gerar uma matéria genuinamente parcial? Pelo menos, a tentativa de um texto informativo traz comprometimento com o público, e não com a fonte.

.

Esse texto foi um trabalho de faculdade em que a professora exigiu uma crítica negativa. Na verdade, eu gostei bastante da ideia proposta pela autora. Mas não poderia deixar de concordar que existe certas linhas possíveis à reflexão. A lição que tive é que nada pode ser totalmente positivo, assim como nada pode ser totalmente negativo. Não se pode concordar com tudo, ao mesmo tempo que não se pode discordar também.

Read Full Post »